Militares poderão agir contra sabotadores de Bolsonaro, diz Major-Brigadeiro

Jaime Sanchez - A persistir esse quadro, a única saída será as Forças Armadas lançarem mão do Artigo 142 da Constituição Federal.



A preocupação com ações dos poderes Legislativo e Judiciário que possam colocar a governabilidade de Bolsonaro em risco, é grande no meio militar.

Há um movimento detectado por diferentes setores para tentar desestabilizar o governo, em outras palavras.

Recentemente, essa preocupação foi manifestada em grupos de WhatsApp pelo major-brigadeiro Jaime Rodrigues Sanchez, e tem repercutido intensivamente nos últimos dias. 

Ele citou uma ‘sucuri de duas cabeças’, representada “pelo Supremo Tribunal Federal e Congresso Nacional”, que “tramam e apertam seu abraço letal” em torno do presidente.

Depois de lembrar que o Supremo ‘é a casa da Mãe Joana’ e o Congresso Nacional ‘um covil de Ali Babá e seus quase 594 ladrões’, o militar denunciou “uma trama diabólica” capaz de promover “o desmonte de um projeto (do presidente Jair Bolsonaro) que quer beneficiar 60 milhões de brasileiros”.

Jaime Sanchez acusou a grande mídia de patrocinar esse golpe.

“Os grandes veículos estão falidos e não mais mamam nas tetas do governo”, acusou.

O objetivo, segundo o militar, é desviar a atenção, criando fakes news onde os alvos são o presidente, seus parentes, e o próprio governo.

“Enfiam-nos (os veículos da grande mídia) em nossas goelas notícias requentadas e distorcidas; temas controvertidos, incompatíveis com a moral das famílias tradicionais; apologia ao sexo, exibindo cenas envolvendo idosos, crianças e homossexuais; vulgarização do tráfico de drogas e exaltação à corrupção, apresentados em horários inclusive infantis”, pontua o major-brigadeiro.

Na interpretação do militar, “a estratégia dessa verdadeira máfia multi corporativa tem como ponto de partida impedir que o governo concretize suas promessas de campanha, desgastando a imagem de austeridade e anulando a expectativa de mudanças nos destinos do País”.

Jaime Sanchez citou como exemplos de alvos preferidos a reestruturação do Estado e o projeto anticrime, encaminhados à Câmara dos Deputados.

“Em contraposição, o governo tem adotado diversas medidas periféricas, visando o desaparelhamento da máquina, a poupança de recursos e a desarticulação dos esquemas de corrupção das instituições públicas”.

Ainda assim, advertiu, “essas medidas podem vir a ser obstadas no Congresso ou na Justiça”.

No texto que circulou entre militares de alta patente, Jaime Sanchez considera como segundo passo dessa ‘ação nefasta’ a inviabilização do orçamento do governo.

“Querem reduzir as perspectivas de receita, através do esvaziamento da reestruturação do Estado, bem como o incremento das despesas, com a aprovação do orçamento impositivo, elevando os gastos obrigatórios a 97% do total do orçamento”.

Com essa estratégia, continua o major-brigadeiro, querem desgastar a imagem do presidente com cortes de verbas para setores essenciais da sociedade e, como objetivo maior, forçar o governo a ultrapassar o limite de gastos permitidos, infringindo a lei de responsabilidade fiscal, o que abriria caminho para a instauração de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro.

Jaime Sanchez também adverte para a iniciativa do PT de apresentar uma proposta de Emenda à Constituição destinada a impedir a assunção definitiva do vice-presidente (Hamilton Mourão) em caso de vacância do cargo.

A situação fica ainda mais grave, enfatiza o major-brigadeiro, quando a base aliada e alguns outros elementos “comportam-se como o incrível exército de Brancaleone”.

São, diz o militar, totalmente desarticulados ou inexperientes no jogo da política, “facilmente contaminados com a peste vermelha”.

Em sua análise, o major-brigadeiro salienta que a conjuntura caminha rapidamente para uma situação insolúvel, “uma vez que o presidente e sua equipe estão praticamente ilhados, à mercê da grande rede corporativa formada por políticos, juristas, empresários, intelectuais e funcionários públicos que irão agir unicamente interessados em preservar seus privilégios a qualquer custo, pouco importando o interesse daqueles que os elegeram e pagam seus vultosos salários”.

A persistir esse quadro, encerra Jaime Sanchez, a única saída será as Forças Armadas lançarem mão do Artigo 142 da Constituição Federal.

O texto diz, resumidamente, que os militares poderão, sob a autoridade do presidente da República, interferir para o bom desempenho dos poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) para “colocar ordem na casa e atender aos anseios da sociedade, como foi feito em 1964”.

12 comentários:

  1. O Governo deveria fazer um referendum para saber se a maioria é ou não a favor do artigo 142.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ao Major brigadeiro, ele está certo em palavras e números. E cabe a nós do povo brasileiro e patriota ajudar os militares em sua missão. Somos mais de 50 milhões de brasileiros que votaram no presidente Bolsonaro, tenho a convicção que com este representante legal e eleito pelo voto o Brasil vai ser uma potência mundial. Vamos marchar juntos com os nossos militares.

    ResponderExcluir
  3. Forças Armadas intervirem no Governo, parece-me um remédio amargo, mas necessário. O PT, partido intencionado a manter as falcatruas estabelecidas por Lula e outros, deve ser extinto e seus mentores punidos severamente. Simultaneamente, sob o comando de Balsonaro as Forças do Bem restabelecem novos, no STF e demais contrários ao bem do Brasil, prendendo todos os que agem contra o progresso do Brasil. Que sejam julgadose presos, esses malfeitores, como Toffoli, Gilmar Mendes, Freixo, Maia, entre outros anti-patriótas. Que se estabeleça um Governo sério e honesto, militarizado até que o Sr. Presidente encontre pessôas competentes e honestas para direcionar nossa Pátria, agora, sem êsses maléficos contrários ao bem do Povo. O Brasil é uma grande Nação, só falta expurgar o "lixo". Bolsonaro é um grande cidadão e está completamente a favor dos brasileiros. Vamos dar um voto de confiança a Ele.

    ResponderExcluir
  4. A situação do Brasil está crítica, agora continuar como esta é que não pode continuar como falou o General sobre essa serpente de duas cabeças que estão tentando de tudo para derrubar o presidente Jair Bolsonaro. Eu quero lembrar ao General que tem uma serpente tão venenosa quanto essa de duas cabeças que ele citou que é a imprensa suja, que está fazendo de tudo também publicando noticias mentirosa a respeito do governo do presidente Jair Bolsonaro, para derrubá-lo. Por isso, o presidente Jair Bolsonaro vai ter de tomar uma atitude contundente a respeitos dessas serpentes venenosas e ir para cima delas e para elas entenderem por bem ou por mal quem é o primeiro mandatário da nação é ele e não essas serpentes venenosas. Se ele não tomar essa atitude contundente a respeito dessas serpentes venenosas, não vejo outra saída para o Brasil que não seja uma intervenção militar. Agora como disse um General, se houver uma nova intervenção militar, será totalmente diferente de 1964, então para o bom entendedor meias palavras bastam, ou seja, será cadeia para essas serpentes venenosas que não estão deixando o presidente governar o país.

    ResponderExcluir
  5. Pelo menos se os eleitores tivessem uma conciencia bem mais evoluida e responsável,muito seria diferente o congresso parlamentar,agora do jeito que este lugar esta contaminado realmente não se vê outra alternativa ao art.142,este grupo de varios deputados e senadores de oposição precisam sentir o braço forte da justiça militar,pois para o povo ja vimos que nem se importam...

    ResponderExcluir
  6. Meu comentário é rápido. Achei extremamente eficiente a resolução do presidente em militarizar totalmente o ministério, com exceção do Cidadania, que fica com Ônix Lorenzoni, que aliás foi um companheiro fiel desde a campanha. Daqui pra frente, tudo vai mudar nas negociações com a Câmara e o Senado, que devem parar de "segurar" os projetos que o presidente manda pra lá para serem discutidos, aprovados ou não, cujos congressistas deverão olhar mais para o País e não para si próprios, que com vêm faze do, obrigando o governo a realizar suas obras via decretos-lei. Esse ministério deverá ser um prato cheio para a mídia contrária, porém, que tomem cuidado com suas críticas, pois patriotas não aceitam xingamentos e imoralidades. Que se cuidem daqui pra frente, pois agora estamos totalmente representados.

    ResponderExcluir
  7. Coloca data em alguns anúncio para a gente compartinhar

    ResponderExcluir
  8. Por favor, intervenham o quanto antes acabem com a bandalheira no STF e no Congresso. O povo de bem está com o Presidente Jair Bolsonaro. Foi eleito por esse povo e tem o nosso apoio.

    ResponderExcluir
  9. Sanches disse exatamente o que esta acontecendo ! Aplicação do artigo 142 é necessário - não há outra alternativa - até mesmo a indicação de Ministros probos a ocupar o STF não salvará a nação dos corruptos da câmara e do Senado - ou alguém acredita que as maioria dos deputados denunciados serão punidos um dia? Artigo 142 é urgente - o povo não vai se revoltar - até porque o povo em sua maioria é ordeiro e votou em, Bolsonaro !

    ResponderExcluir
  10. Já chegou no limite, é ora de cortar o OXIGENIO sesses caras, respiraram de demais, desliga logo essa MAQUINA!

    ResponderExcluir
  11. Então, segundo o Artigo 142 da Constituição Federal, cumpra-se. Estão esperando piorar mais ainda?

    ResponderExcluir